7.4.17

__ kg.



Giovani, meu irmão 
uma vez me disse: uma quitinete 
é maior do que um livro. 

Vivo numa quitinete 
onde sigo organizando 
o mundo nos meus livros
com todos os seus ou meus 
defeitos gráficos erros 
de impressão e corte
dedicatórias com ou sem 
suspiros ainda presentes.

Decidir o que manter na prateleira 
é um périplo quando o título 
está esgotado ou superado 
e tudo está 

fora do lugar, então escolho 
o que colocar na caixa 
um procedimento
ora cirúrgico ora penal
e a cada ano o tempo oxida 
um pouco mais as páginas
do livro que foi 
e do livro que fica 

não me deixe: essa lembrança 
não está em nenhuma caixa 
craniana
ela habita o livro esquecido
e o que está fora 
não está mais dentro
tento não pensar nisso
mas ela está fora de si 
e a lembrança precisa ir
se ela está fora de si

então ela deve ir-
se despedindo
mas no caminho ela cai 
lenta e grave
lenço em riste
a carpideira
que resistia aos cortejos
agora parte cansada
num dirigível de sal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
sede de pedra de Rita Barros é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.