22.6.13

jogral

prelúdio:           estamos muito próximos, mas não o bastante.

                        [os postes e suas sombras esguias
                        rebentam contra o asfalto quente desvanecendo
                        o tempo]

                        sigo ao seu encontro

trajeto:             você cruzando cada Estado,
                        noite após noite sem nenhum descanso.

                        o meio-fio a água turva
                        percorrendo valas percorrendo o mar
                        - margem
                        meu caminho
                        ao seu encontro

in finitude:         vivemos em outras pessoas.
                        vivemos nas coisas.

            [o tempo ocupa em riste
            farpas ferrugens fuligens
           
            veludo de cinzas
            seu leito é sonâmbulo

            entre pelos de gato
            fios de bulbos variados

            escamas & escarpas
            desenham seu lençol
             
            antologia de tudo
            que forra depois alça depois

            , suspenso
            , busca novo pouso]

            estas veias verdes seivas
            são seu ninho

relento:             todo caminho, um desencontro.
                        todo caminho, um desencontro...

                        porque seriam estes olhos
                        espelhos silenciosos?

                        [seremos imagens opacas
                        das farpas ferrugens fuligens
                        do tempo?]

vertigem:          em todas as ruas te encontro
                        em todas as ruas te perco
                        
                        vejo você

                        [delírio galopante da alcateia fantasma]

                        sua imagem lentamente
                        desvanece
                        minha ária dissidente
                        desvanece

síncope:           a colisão colide a colisão
                       
                        só
                        no subsolo das bocas de lobo
                        há uma fresta
                        entre o chão a saliva
                        e a pena
                        entre o muro a urina
                        e a tinta
                        onde colide
                        meu uivo
Licença Creative Commons
sede de pedra de Rita Barros é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.